The Voice Itália: Freira emociona todos os jurados cantando 'No One' de Alicia Keys.

Irmã Cristina Scuccia de 25 anos, é siciliana, mas vive em Milão e é uma freira das Ursulinas da Sagrada Família. Desde a infância tinha o sonho de ser uma cantora. Em 2008, as Irmãs Ursulinas organizaram numa sala de música uma rodada de cânticos (em que a jovem se encontrava por acaso).

Liturgia II - Cantos Litúrgicos.

Liturgia II é um CD infantil com cinco missas: Cantemos com Alegria; Cantando a Palavra Deus; Eu sou Feliz, tu és Feliz!; É Natal no Coração e Eu Nasci pra te Amar. As canções à participação das crianças e as melodias, fáceis e empolgantes, estimulam o envolvimento da criançada nas celebrações eucarísticas.

Liturgia III - Cantos Litúrgicos.

O CD `Liturgia III` é um subsídio para as equipes se prepararem para o Natal e outras missas, como: Cantos para a Semana Santa, Missa de Nossa Senhora e Missa do Tempo Comum. São melodias gostosas de ouvir e cantar. Suas letras fáceis nos envolvem nos diversos momentos das celebrações eucarísticas.

Liturgia IV - Advento Ano A.

Composto por 12 cânticos, este CD é interpretado pelo Coral Palestrina de Curitiba, sob a regência da Ir. Custódia Maria Cardoso, que já realizou vários projetos para a Paulus Música, entre eles Cantando na Escola, Cantando o Novo Milênio e Maria, Mãe de Jesus.

Liturgia V - Natal.

Composto por 17 cânticos. A interpretação é do Coral Palestrina da Arquidiocese de Curitiba, sob a regência da Ir. Custódia Maria Cardoso. O CD abrange o período de Natal, são cânticos que pertencem ao Hinário Litúrgico da CNBB. Este é mais um disco que provê cantos para utilização durante o calendário litúrgico católico ao longo do ano.

Notícias Diárias

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Marco Frisina - Regina Caeli.

REGINA CAELI, LAETARE

Regina caeli, laetare, alleluia
Quia quem meruisti portare, alleluia.
Resurrexit sicut dixit, alleluia.
Ora pro nobis Deum, alleluia.
V. Gaude et laetare, Virgo Maria, alleluia,
R. Quia surrexit Dominus vere, alleluia.

Padre Paulo Ricardo cantando o Regina Coeli (Ouça).

O Regina Coeli ou Regina Caeli é a oração feita pelos católicos às 06h00, 12h00 e às 18h00, durante o Tempo Pascal. Ela substitui a oração do Angelus, feita nos outros dias.

Oração:

V.: Rainha do céu, alegrai-vos! Aleluia!
R.: Porque quem merecestes trazer em vosso seio. Aleluia!
V.:Ressuscitou como disse! Aleluia!
R.: Rogai a Deus por nós! Aleluia!
V.: Exultai e alegrai-Vos, ó Virgem Maria! Aleluia!
R.: Porque o Senhor ressuscitou verdadeiramente! Aleluia.

Tuítes do Papa (21 de Abril).

"Todo o encontro com Jesus nos enche de alegria, daquela alegria profunda que só Deus nos pode" dar." Papa Francisco

Principais atividades na semana da Canonização de João XXIII e João Paulo II.

Cidade do Vaticano (RV) - Roma receberá milhares de peregrinos para uma semana muito especial que vamos viver. Estão previstas várias atividades em preparação a Canonização dos dois beatos João XXIII e João Paulo II.

Dos dias 22 a 26, foram preparados "briefing" que terão como tema: a vida dos dois beatos, como por exemplo: Por que eles são santos?; a vida e o ministério petrino de João XXIII e João Paulo II; a intercessão dos dois Beatos e seus milagres; “dois Papas Santos por quem esteve perto deles”; “Os dois Papas e o Concílio Vaticano II”. Todos serão ministradas na sala de imprensa Vaticana e na sala Paulo VI.

Acontecerão também ao longo da semana, diversos encontros, celebrações, missas e vigílias. Entre elas uma missa dia 26 às 18h na Basílica São João de Latrão, onde João XXIII iniciou sua vida religiosa como seminarista do Pontifício Seminário Romano e onde depois foi sua catedral como Bispo de Roma.

E no mesmo dia a partir das 21h, acontecerá a Noite Branca de oração. As igrejas do centro de Roma estarão abertas onde será possível rezar e se confessar. É proposto um esquema, elaborado pelo Ofício Litúrgico do Vicariato de Roma, para a vigília com passagens bíblicas e textos extraídos das escrituras dos dois Papas que oferecem sugestões para as meditações e orações.

Reflexão para Segunda-Feira de Páscoa (Ouça).

Cidade do Vaticano (RV) - Nesta semana, chamada de Semana da Oitava Pascal, vivemos a Eucaristia como se celebrássemos o Domingo de Páscoa, tal é sua importância grandiosa. A Páscoa é a Festa das Festas, é a celebração máxima dos cristãos. Jesus Cristo, por sua morte e ressurreição nos deu a vida plena com o Pai, para toda a eternidade.
Somos levados, por causa de todo o simbolismo e por causa de nossa tendência a sermos solidários com quem padece, a vivenciarmos, com facilidade, os mistérios da Paixão do Senhor. Com certeza, mais uma vez, nossos templos estiveram lotados de pessoas para as celebrações de quinta e, mais ainda, para a de sexta-feira santa.
É a sensibilidade que nos provoca a consciência de que somos cristãos e de que é preciso parar e rever nossa caminhada.

Regina Caeli: A alegria da Páscoa não é uma maquiagem, mas vem do coração (Ouça).

Cidade do Vaticano (RV) – Nesta Segunda-feira de Páscoa, o Papa Francisco rezou com os fiéis e peregrinos na Praça S. Pedro a oração do Regina Caeli, que neste tempo pascal substitui a oração do Angelus.
Nesta semana, disse o Papa, podemos continuar com as felicitações de Páscoa, como se fosse um único dia. “É o grande dia que o Senhor fez.”

O sentimento dominante que transparece dos relatos evangélicos da Ressurreição é a alegria repleta de estupor, e na Liturgia nós revivemos o estado de espírito dos discípulos pela notícia que as mulheres traziam: Jesus ressuscitou!

“Deixemos que esta experiência, impressa no Evangelho, se imprima também nos nossos corações e transpareça na nossa vida. Deixemos que o estupor jubiloso do Domingo de Páscoa se irradie nos pensamentos, nos olhares, nas atitudes, nos gestos e nas palavras... Mas isso não é uma maquiagem! Vem de dentro, de um coração imerso na fonte desta alegria, como o de Maria Madalena, que chorou pela perda do seu Senhor e não acreditava nos seus olhos vendo-o ressuscitado.”

Quem faz esta experiência, acrescentou o Pontífice, se torna testemunha da Ressurreição, porque num certo sentido ele mesmo ressuscita. Então é capaz de levar um “raio” da luz do Ressuscitado nas diversas situações humanas: naquelas felizes, tornando-as mais belas e preservando-as do egoísmo; e naquelas dolorosas, trazendo serenidade e esperança.

Nesta Semana, disse ainda o Papa, nos fará bem pensar na alegria de Maria, a Mãe de Jesus. Assim como a sua dor foi íntima, a ponto de traspassar a sua alma, do mesmo modo a sua alegria foi íntima e profunda, e desta os discípulos puderam compartilhar.

domingo, 20 de abril de 2014

Francisco na homilia de Sábado Santo: "Voltar à Galiléia!" (Ouça).

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco presidiu, na noite deste sábado santo, na Basílica Vaticana, à solene Vigília pascal, que contou com a participação de numerosos fiéis, provenientes de diversas partes do mundo.

Após o rito preparatório, da bênção do fogo e do solene anúncio pascal, o Santo Padre fez sua homilia, partindo, precisamente, do Evangelho da ressurreição de Jesus, referindo-se, de modo particular, às mulheres que foram ao sepulcro, na manhã seguinte.

Elas queriam honrar o corpo do Senhor, mas encontram o túmulo aberto e vazio. Mas, um anjo do Senhor lhes disse: «Não tenham medo! Ele ressuscitou dos mortos». E ao saírem de lá, se encontraram com o próprio Jesus, que lhes disse: «Vão anunciar aos meus irmãos, que me verão na Galileia».

Depois da morte de Jesus, os discípulos se dispersaram; tudo parecia ter acabado; as certezas e as esperanças, enfraquecidas. Mas, o incrível anúncio das mulheres brotou como um raio de luz na escuridão. A notícia se espalhou: Jesus ressuscitou!

O Anjo do Senhor e o próprio Jesus pediram às mulheres para avisar aos discípulos para irem à Galileia. Por que a Galiléia? E o Papa explicou:

“A Galileia é o lugar da primeira chamada, onde tudo começou! Trata-se de voltar para lá, ao lugar da primeira chamada. Jesus havia passado pelas margens do lago, enquanto os pescadores consertavam as redes. Ele os chamou e, deixando tudo, o seguiram. Voltar à Galileia significa reler tudo, a partir da cruz e da vitória: a pregação, os milagres, a nova comunidade, o entusiasmo e até a traição, a partir do supremo ato de amor”.

Cada um de nós também tem uma Galileia, o lugar da redescoberta do nosso Batismo, a fonte viva, de onde encontramos a energia e a da raiz da nossa fé e da nossa experiência cristã. Galileia significa retorno à Graça de Deus, que nos toca no início do caminho da nossa vida cristã: a experiência do encontro pessoal com Jesus, que nos chama a segui-lo e a participar da sua missão.

Por fim, o Bispo de Roma convidou os fiéis presentes a se perguntarem: qual é a nossa Galileia, onde reencontrar nosso Senhor e deixar-se abraçar pela sua misericórdia?

O Evangelho da Páscoa é claro: é preciso voltar à Galileia para nos encontrarmos com Jesus ressuscitado e nos tornarmos suas testemunhas. A Galileia dos gentios é o horizonte do Ressuscitado, o horizonte da Igreja, o intenso desejo de encontrar o Senhor! (MT)